Sonda apresenta Os Sons daqui nos Monumentos Megalíticos de Alcalar

SONDA – Os Sons Daqui
Uma produção Rizoma Lab – Associação Cultural
22 Setembro | 19h18-21h00 | Entrada Livre | Monumentos Megalíticos de Alcalar

“Os Sons Daqui” é a primeira de duas propostas de SONDA, um projecto de Pedro Glória, apresentadas pela Rizoma Lab – Associação Cultural no âmbito da edição de 2017 do programa DiVaM – Dinamização e Valorização de Monumentos, iniciativa da Direcção Regional de Cultura do Algarve e integrado nas Jornadas Europeias do Património.

Ao lusco-fusco, na passagem do dia para a noite na data do Equinócio de Outono, os Monumentos Megalíticos de Alcalar, abrem as suas portas à população, para observar a despedida do Verão e a mudança da estação, da luz e do tempo.
O público é convidado a fazer um percurso que desvenda um outro olhar sobre este monumento e sobre o espaço que o cerca, um olhar sonoro e visual que transforma a experiência com o espaço e constrói uma ponte entre o passado imutável das pedras e o presente/futuro tecnológico, através dos efeitos audiovisuais sob a forma de instalação/performance, pensada e desenhada especificamente para este local e para este dia.
A experiência terá a duração de cerca de 2 horas, onde livremente o público entra e sai do recinto, sendo a hora privilegiada entre as 19h18m e as 20h02m – hora oficial do início do Outono.
O projecto Os Sons Daqui centra-se numa intervenção multimédia e ​site specific,organizada especificamente para cada monumento, com base numa recolha prévia de elementos locais que são integrados na performance visual e sonora a acontecer em cada um dos espaços históricos – a segunda acção irá decorrer na Ermida N. Sra. de Guadalupe, no dia 2 de Dezembro.

Os elementos recolhidos partem de uma abordagem directa à comunidade que habita em torno do monumento, explorando os conceitos da ​população acerca deste, através de entrevistas e depoimentos, que permitam colectar material de forma a construir depois uma malha sonora com essas gravações. Esta informação tem como objectivo compilar o que, intuitivamente e partindo do conhecimento empírico, mitológico e filtrado através dos tempos e gerações, gera a impressão, ideia e relação popular com o sítio em questão. Assim trata-se de uma abordagem sócio-etnográfica em contraponto e em desafio saudável com a visão científica da arqueologia. Além destas impressões sonoras gravadas, serão também recolhidas imagens de detalhes do próprio monumento e da sua envolvência que servirão depois para a projecção da textura cromática.
Cria-se assim o som do espaço, uma experiência sensorial auditiva e visual a partir da fisicalidade do monumento e da envolvente social, com uma abordagem contemporânea e multidisciplinar: som, vozes, frequências e imagens da envolvente projectadas de forma a criar uma ambiência única e estimulante, trazendo as novas tecnologias para dentro de um espaço megalítico.

Lugares da Globalização

O mote para esta intervenção parte do tema proposto pelo DiVaM 2017 – Lugares da Globalização – um processo contínuo cuja amplitude se entranha nas nossas vivências, aspirações e escolhas. Faz parte da maneira como formamos as nossas opiniões, como olhamos o passado, os registos que restam dele através do património, a forma como usamos no presente as novas tecnologias, o motivo pelo qual as pessoas circulam e nos visitam – e também a forma como olhamos para nós próprios – qual é a nossa história. O projecto SONDA com Os Sons Daqui procura encontrar/sondar esses resquícios dos efeitos da globalização na forma como as pessoas olham e sentem o espaço e o transmitem, na história circundante do monumento, naquilo que é daqui, que veio de lá e que ficou – através de uma forma sensorial e contemporânea, com recurso ao som, à imagem e a gadgets tecnológicos – ferramentas que são, na sua essência, um veículo na continuação e transmutação da Globalização.

SONDA

No projecto ​SONDA​, Pedro Glória explora principalmente sonoridades electro-acústicas. Boa parte do seu trabalho experimental baseia-se na pesquisa quase laboratorial do som enquanto elemento físico, buscando os efeitos acústicos nos espaços, nos objectos, nas pessoas… no meio. Sons que originalmente não são exactamente música, mas que se transformam e se tornam algo organizado e orgânico, alcançando eventualmente o estatuto de peça musical contemporânea. Os equipamentos utilizados são: geradores de frequências, ​loop station, sintetizador-teclado vintage, computador, gravador digital, telemóvel e tablet – novas tecnologias ao serviço da criação artística e num diálogo inovador com o património histórico.

Rizoma Lab – Associação Cultural

Associação cultural sem fins lucrativos. Foi fundada em Fevereiro de 2015 na cidade de Lagos (Algarve – Portugal) com o objectivo fundamental de realizar projectos culturais e científicos numa perspectiva intercultural e transdisciplinar. Assim como na natureza, também RIZOMA LAB cresce de forma horizontal, reunindo numa mesma plataforma diferentes especialistas e profissionais que vêm trabalhando e cruzando áreas como Cultura, Ciência, Arte, Património, Arquitectura, Gastronomia, Comunicação, Sociedade, Educação, entre outras. O Algarve é a região privilegiada pelas intervenções da RIZOMA LAB, mas sua acção pode estender-se também para outras regiões portuguesas e estrangeiras.

Direcção artística: Pedro Glória |Produção e Comunicação: Luísa Baptista – contacto 966803707 | Fotografia: Fátima Vargas | Edição vídeo e design gráfico: Teresa Sousa | Live Visuals: Alice Aires

Teasers:
SONDA – Os Sons Daqui I ( https://goo.gl/6sHkak )
SONDA – Os Sons Daqui II (https://goo.gl/vXuV1g)

Baixar informação (Imprensa):

Iniciativa
 
No âmbito
Parceiros:
  Apoio:
Share

Comments are closed