COZINHANDO NA PAISAGEM NA ERMIDA Nª Srª DE GUADALUPE

DSC_8941_web
COZINHANDO NA PAISAGEM NA ERMIDA Nª Srª DE GUADALUPE
uma acção performativa de Jorge Rocha
com a participação de Manuel Castelo Ramos e Rui Parreira
18 de Outubro de 2015

Data: 18 de Outubro – Domingo – às 16h00
Local: Ermida Nª Srª. de Guadalupe – Município de Vila do Bispo
Visita orientada: às 15h30 com Manuel Castelo Ramos
Participantes convidados: Manuel Castelo Ramos (Historiador de Arte) e Rui Parreira (Arqueólogo)
Organização: Rizoma Lab no âmbito do programa DiVam – Dinamização e Valorização dos Monumentos
ENTRADA LIVRE – Não necessita inscrição prévia

O Cozinhando na Paisagem realiza-se no Concelho de Vila do Bispo, mais precisamente no monumento Ermida Nossa Senhora de Guadalupe, no próximo dia 18 de Outubro, pelas 16h00. Previamente, pelas 15h30 será efectuada uma visita guiada por Manuel Castelo Ramos a este monumento do séc.XV ligado à epóca dos descobrimentos. É também uma oportunidade para assistir presencialmente ao último Cozinhando na Paisagem de 2015, que contou com 8 acções entre o Algarve e o Alentejo. Haverá transmissão online em directo através da plataforma www.palato.org para quem não puder assistir presencialmente.

Vai ser no dia 18 de Outubro que se vai montar, pela última vez este ano, a infraestrutura improvisada onde o artista Jorge Rocha e os investigadores participantes, Manuel Castelo Ramos e Rui Parreira, vão cozinhar ao vivo. Esta acção encerrará um ciclo de 8 acções performativas do Cozinhando na Paisagem realizadas no Algarve e Alentejo durante 2015 em sítios históricos, respeitando a gênese deste projecto que une a História, o Património e a Gastronomia. Os locais onde se realizaram esta performance, em formato de talk show e transmitida online em directo foram, este ano, os seguintes: Fortaleza de Sagres; Castelo de Tavira; Abrigo Paleolítico de Vale de Boi, Município de Vila do Bispo; Castelo de Salir, Município de Loulé; Monte Molião, Município de Lagos; Mosteiro de Santa Maria de Flor de Rosa, Município de Crato; Mercados de Olhão e finalmente na Ermida N. Sra. de Guadalupe, Município de Vila do Bispo. Esta acção está integrada no DiVaM, um programa de Dinamização e Valorização dos Monumentos, desenvolvido pela Direção Regional de Cultura do Algarve em 2014, que tem como principal objetivo continuar a implementar uma dinâmica cultural nos monumentos afectos à DRCALG e aproximar as comunidades ao seu património.

Manuel Francisco Castelo Ramos – é natural de Portimão (1958) e residente em Silves. Licenciado em História pela Faculdade de Letras de Lisboa (1982) e mestrado em História de Arte pela Universidade Nova, com dissertação final sobre a arte manuelina no Algarve. É desde 1982 professor de História do Ensino Básico e coordenador do departamento de Ciências Sociais e Humanas do Agrupamento de Escolas de Silves. Desde há muitos anos ligado à defesa do património cultural, designadamente o arqueológico e arquitetónico, integrou a Associação de Defesa do Patrimónico Histórico-Cultural de Silves e foi sócio-fundador do Centro de Estudos Luso-Árabes de Silves. Nesta área da história e património tem realizado diversas palestras e escrito variados artigos. Em 1998 integrou como coordenador local o projeto de musealização da Fábrica do Inglês (Silves), sendo diretor do Museu da Cortiça até ao momento do seu infeliz encerramento.

Rui Parreira – Lisboa (1954) reside em Lagos desde 1997. Mestrado em Arqueologia (Universidade do Porto), Pós-graduação em Museologia (Centro de Estudos Museológicos, Lisboa), Licenciatura em História (Universidade de Lisboa). É funcionário público desde 1976, tendo desempenhado, entre outras, as funções de conservador do Museu Nacional de Arqueologia (Lisboa), arqueólogo do Serviço Regional de Arqueologia do Sul (Évora), diretor da Fortaleza de Sagres e, atualmente, técnico superior da Direção Regional de Cultura do Algarve (Faro), onde desempenha as funções de Diretor de Serviços dos Bens Culturais. É investigador associado à Uniarq/Centro de Arqueologia da Universidade de Lisboa (grupo de trabalho sobre as Antigas Sociedades Camponesas).

Ermida de Nossa Senhora de Guadalupe – foi construída no século XV, durante o reinado de D. Afonso V, após a generalização em Portugal do culto da virgem negra de Guadalupe. É um edifício singelo, construído em grés da região. Situado numa zona de fronteira, do Reino e da Cristandade, assolada pelo corso muçulmano, encontra-se ligado ao resgate dos cativos, o que explica a sua insólita decoração simbólica. Na capela-mor, todos os capitéis, tal como as chaves da abóbada, possuem decoração esculpida com motivos vegetalistas, máscaras humanas e outros atributos. A quinta sobranceira à Ermida foi um dos pousos do Infante Dom Henrique, durante o auto-exílio algarvio que marcou a fase final da sua vida, após a infeliz expedição de Tânger de que resultou cativo o Infante Santo. Neste lugar terá Dom Henrique recebido a visita do veneziano Ca’damosto, o que lhe confere uma particular relevância histórica. Sob a invocação de Senhora de Guadalupe mantêm-se até hoje práticas ancestrais de culto e rituais de fertilidade como a festa de Nossa Senhora das Candeias, a bênção dos gados e das espigas, na 5ª feira de Ascensão.

Cozinhando na Paisagem integra-se no projecto PALATO e é uma ação performativa sobre sítios históricos e arqueológicos, um espetáculo gastronómico que decorre nos locais com uma paisagem em plano de fundo, abordando temáticas que colocam a Gastronomia de cada época em cruzamento com os hábitos alimentares da sociedade contemporânea.

Em cada sítio histórico é montada uma infraestrutura improvisada onde o artista, em conjunto com os investigadores de cada monumento, desenvolve uma ação performativa num formato talk show, cozinhando ao vivo e transmitindo em direto na Internet, assumindo os públicos físicos e virtuais como participantes no processo de criação artística.

Partindo de um menu inspirado nas entrelinhas da História e da Arqueologia, são consideradas as características únicas de cada local e valorizados os fatores paisagísticos, patrimoniais e sociais. Cada sessão é antecedida por uma visita comentada ao local, desenvolvida em colaboração com as entidades responsáveis por cada sítio histórico.

Todas as sessões são transmitidas em direto em www.palato.org/transmissao, resultando num conjunto de paisagens virtuais armazenadas no Canal PALATO do site www.palato.org, sendo estas o foco da investigação artística em curso.

Downloads de Imprensa:
cloud

Equipa do Palato:
Coordenação artística: Jorge Rocha
Coordenação científica: Elena Morán
Produção: Carmo Serpa
Comunicação: Luísa Rosa Baptista
Fotografia: Ricardo Soares
Uma iniciativa
rizomalogo
Parceiro estratégico:
logotipo_cultalglogo_DIVAM
Parceiro media:
logo_sul_informacao

Outros apoios:

Informações:
Localização (ver mapa)
Com transmissão em direto no site www.palato.org/transmissao
Mais informações em www.palato.org ou pelo e-mail palato@rizomalab.pt

Contactos telefónicos: Carmo Serpa – 964735536 (Produção)
Luísa Baptista – 966803707 (Comunicação)

Share

Comments are closed